domingo, 7 de julho de 2019

João Gilberto (1931 - 2019)


Quando eu comecei a arranhar o violão, em 1962, vi um cara tocando este instrumento de uma maneira muito diferente, o som parecia desafinado, mas agradava aos ouvidos, mais tarde fiquei sabendo que eram acordes dissonantes. Era a bossa nova do João Gilberto chegando.

segunda-feira, 24 de junho de 2019

um quadro triste da nossa história

os vazamentos na lava-jato feitos pelo gleen greenward  jamais comprometerão a lisura do moro e muito menos vai atingir o presidente da república, porque do lado dessa gente têm os bolsonaristas, que já estão ameaçando com guerra, aliás, é a única coisa que eles sabem fazer, pois, já perderam a razão faz muito tempo, além deles temos os generais da vida, portanto, o que vai acontecer é que provavelmente, vamos ter que aturar um ministro da justiça que vai ficar oscilando por três anos e meio, ninguém merece e este é um quadro triste da nossa história. [saber salva].

quinta-feira, 20 de junho de 2019

CIRO GOMES PERDEU A SUA MAIOR OPORTUNIDADE


O Ciro Gomes perdeu a sua maior oportunidade, nas eleições para Presidente da República, de sair com a moral ainda mais forte, mas deu no que deu, ao perder para o Fernando Haddad, no primeiro turno, resolveu olhar mais pro seu umbigo, não dando apoio ao candidato petista, se esquecendo que o Brasil estava em jogo, realmente, ele foi muito infeliz agindo desta maneira, queimou o seu filme seriamente, pensou mais nele do que nos brasileiros, Agora, também não podem ficar impunes, aqueles que votaram em branco, levando o dito cujo a ser eleito. É bom relembrar este fato para que no futuro, a oposição seja mais coesa, embora eu não esteja gostando, nada do que está acontecendo hoje, porque o Ciro Gomes não aprendeu nada da lição pois continua atacando a esquerda favorável a Lula. Concluindo, quem ganha com isso é a direita, já ia me esquecendo, e os militares, também. [SABER/SALVA].

anibal werneckfreitas, em 20/06/2019.

domingo, 16 de junho de 2019

DONA ADILÉA, UMA SENHORA ESCRITORA DE SUA TERRA



Quando eu dirigia o fanzine, Mar de Morros, eu conheci a Dona Adiléa Britto de Lima, através do seu livro, Retalhos de Histórias, onde ela conta sua passagem de Pirapetinga para Recreio e que depois passou a residir com seus filhos na cidade de Cuiabá, capital de Mato Grosso, onde se encontra até hoje. Na ocasião, ela se interessou muito pelas minhas músicas e até hoje mantém firmes suas convicções a respeito. Ultimamente, sua filha Ciléa entrou em contato comigo, pelo Face, dizendo que sua mãe nunca esqueceu de mim, fiquei muito feliz e, deste modo, resolvi homenageá-la neste texto e dizer para os filhos, Carlos, Welinton, Joubert, Ciléa, Ezilma e Telma Laura, que vocês têm uma mãe do tamanho do mundo e, sendo assim, eu lhes peço, cuidem bem dela, porque ela merece! Deste modo, deixo um abração para a Dona Adiléa e para todos os filhos! É isso aí, Dona Adiléa pra sempre!

NOTA, Adiléa Britto de Lima e a capa do seu livro, Retalhos de Histórias.

Anibal Werneck de Freitas, em 16/06/2019.


sábado, 15 de junho de 2019

O XERIFE, WYATT EARP, DE TOMBSTONE, ESTÁ DE VOLTA



Acima, o famoso xerife, Wyatt Earp e seus auxiliares, caminhando pelas ruas de Tombstone, em direção ao O.K, Corral, onde mataram, covardemente, Clanton e seus comparsas, numa rua próxima. 

Abaixo, a foto não mente. Voltamos ao Velho Oeste, e, a missão destes justiceiros não é matar Clanton e seus comparsas, e sim, o pobre do trabalhador brasileiro, e deste modo, ficar tudo O.K. pra eles. É isso aí, depois falam que a História não se repete.

AWF, 15/06/2019. 

sábado, 1 de junho de 2019

ESTE É O QUADRO TRISTE DO PAÍS EM QUE VIVEMOS, ONDE, DE MODO GERAL, AS PESSOAS NEGAM A SUA ORIGEM AFRO, SUBSTITUINDO-A PELA INDÍGENA.

sexta-feira, 31 de maio de 2019

O ANIVERSÁRIO DA CIDADE DE JUIZ DE FORA, 169 ANOS


NA FESTA DOS 169 ANOS DE JUIZ DE FORA, OS DESCENDENTES DE ALEMÃES, ITALIANOS, ÁRABES E OUTROS, FORAM LEMBRADOS NA CONSTRUÇÃO DA CIDADE, NO ENTANTO, NA TELEVISÃO, SE ESQUECERAM DE MANEIRA INJUSTA DOS NEGROS QUE FIZERAM O MUNICÍPIO CRESCER ECONOMICAMENTE, POR VOLTA DE 1850, ATRAVÉS DO ULTRAJANTE TRABALHO-ESCRAVO NOS CAFEZAIS.

quinta-feira, 30 de maio de 2019

HISTÓRIAS DO CAFÉ STO. ANTÔNIO -TREM DE LENHA (Antonio Hygino de Freitas)


Naquela época o trem de lenha era praticamente dia e noite. Era tanta lenha que seus carros enchiam a praça toda. Eram cerca de 50 negros trabalhando pesado, se tinha brancos eu não sei. Ainda no mato, eles punham fogo na lenha e chegavam todos pretos, sujos de carvão. E, deste jeito, apareciam no meu Café Sto. Antônio, cansados e com muita fome. Eu tinha uma vitrine grande de perfumes que ficava logo na entrada do meu botequim. O nome deste perfume era Dirce. Eu acho que nem existe mais. O cara que me vendia este perfume era  casado com a prima da minha mulher Wanda. Ele era de Juiz de Fora, dono da Fazenda Linhares, onde fabricava este perfume, que era um produto muito bom, parecia francês. Cheguei a ir no casamento dele com a minha família. Pois bem, voltando ao trem de lenha, estes homens, sujos e famintos, me davam lucros, o único que me dava prejuízo era o chefe deles, que chegou a montar um barzinho na estação com os meus vasilhames, que nunca devolveu. Voltando aos homens do trem de lenha, eles estavam sempre suados, fedendo carvão, graxa e óleo. Mesmo assim eles passavam o vidro do perfume Dirce todo no corpo para encontrar com as suas mulheres. E quando a gente falava que eles tinham que tomar banho primeiro para depois passar o perfume, eles respondiam rindo, Que nada, um cheiro tira o outro!

Antonio Hygino dr Freitas.